Amamentação na Primeira Hora de Vida – Reviva Nutrição

Amamentação na Primeira Hora de Vida

Amamentação na Primeira Hora de Vida

gestante

A amamentação deve ser iniciada na primeira hora de vida, ainda na sala de parto, antes mesmo dos primeiros cuidados (banho, curativo umbilical, pesagem, etc) se a mãe e o recém-nascido estiverem em boas condições de saúde, favorecendo o contato pele a pele de ambos. Esse contato precoce entre mãe e filho está associado à maior duração do aleitamento materno exclusivo. Além disso, o reflexo da sucção da criança é mais ativo e enérgico nos primeiros 30 a 60 minutos após o nascimento.

Logo após o parto, a mãe está ansiosa por tocar o recém-nascido e ambos estão impregnados de substâncias que os deixam biologicamente preparados para uma interdependência. É o momento no qual a mulher tem a oportunidade de ver, tocar, pegar e amamentar seu bebê  e representa toda a espera que ocorre durante a gestação. Essa é a oportunidade de fortalecimento máximo do vínculo afetivo e de estimulo à lactação.

A amamentação a partir do primeiro dia de vida pode evitar 16 % das mortes neonatais. Podendo ser elevada para 22 % se a amamentação for antecipada para a primeira hora após o parto.

O leite humano é considerado o mais rico alimento, capaz de atender de maneira adequada a todas as necessidades fisiológicas dos lactentes,  com todas as características nutricionais necessárias para o bom desenvolvimento do bebê.
São inúmeras e reconhecidas as vantagens do aleitamento materno precoce:
♡ Iniciando com o contato pele a pele, logo após o nascimento, o intestino do recém nascido será colonizado por microrganismos da flora cutânea materna, se essa for a primeira pessoa a segurá-lo.
♡ A sucção do colostro vai imunizar o bebê, protegendo – o contra infecções. O colostro é laxativo e ajuda na prevenção e redução da icterícia fisiológica por estimular movimentos peristálticos com a consequente eliminação do mecônio, ocorrendo menor reabsorção da bilirrubina através do circuito intestino-fígado.
♡ A sucção do mamilo faz o útero contrair-se, auxiliando na involução uterina, reduzindo o risco de hemorragia após o parto.

Além das inúmeras vantagens, uma bem impactante é que o aleitamento materno pode melhorar a qualidade de vida das famílias, uma vez que as crianças amamentadas adoecem menos, necessitam de menos atendimento médico, hospitalizações e medicamentos, o que pode implicar menos faltas ao trabalho dos pais, bem como menos gastos e situações estressantes. Além disso, quando a amamentação é bem sucedida, mães e crianças podem estar mais felizes, com repercussão nas relações familiares e, conseqüentemente, na qualidade de vida dessas famílias.

 

 

PoR Ticiane Aragão
Referencias bibliográficas:

 

Ministério da Saúde. Saúde da criança: nutrição infantil – Aleitamento materno e alimentação complementar.

 

Owusu-Agyei, et al. Delayed breastfeeding iniciation increases risk of neonatal mortality. Pediatrics v.117 n.3. 2006

 

 

Pillegi MC, et al. A amamentação na primeira hora de vida e a tecnologia moderna: prevalência e fatores limitantes . Einstein 2008;

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *