A cirurgia bariátrica como tratamento da obesidade e o reganho de peso – Reviva Nutrição

A cirurgia bariátrica como tratamento da obesidade e o reganho de peso

A cirurgia bariátrica como tratamento da obesidade e o reganho de peso

o-metabolismo-e-a-perda-de-peso-5

A cirurgia bariátrica é um método eficaz para tratamento da obesidade, devido à redução do volume gástrico e associação com equipe multidisciplinar, incluindo o profissional nutricionista.

 

Esse procedimento cresceu com o intuito de permitir a eliminação do peso em excesso e diminuir os riscos para evolução de doenças associadas à obesidade – dislipidemias, diabetes, alguns tipos de câncer, apneia do sono, hipertensão… A lista de comorbidades pode ser bem extensa, mostrando os prejuízos do acúmulo excessivo de gordura corporal.

 

Existem muitos relatos e a cirurgia pode sim ser um sucesso, porém em alguns casos são observados o reganho de peso após o procedimento cirúrgico, podendo ser em longo prazo. A literatura buscou estudar as causas desse fato e inclui aspectos psicológicos, emocionais, adesão a dieta e o suporte profissional! É importante perceber que a cirurgia é o ponto de partida para mudança nos estilos de vida, a cura da obesidade é consequência. O indivíduo deve permitir modificações para uma vida saudável para minimizar os índices do reganho de peso.

 

Estudos mostram que dentro de 24 meses, 50% dos pacientes voltam a ganhar peso. Mostrando a importância do cuidado e acompanhamento mesmo após os meses iniciais. O profissional nutricionista trabalha reeducando e mantendo as melhores escolhas alimentares, buscando a individualidade de cada paciente e evoluindo a conduta. Nenhum tratamento é eficaz e duradouro sem o acompanhamento de uma equipe multidisciplinar. Procure sempre o auxilio do nutricionista.

 

Por: Caroline Mota | Nutricionista | CRN6 14141

Especialista em Nutrição Clínica e Esportiva

 

Referência: MENEGOTTO, Ana Luiza Savaris et al.Avaliação da frequência em consultas nutricionais dos pacientes após cirurgia bariátrica.  ABCD, arq. bras. cir. dig.[online]. 2013, vol.26, n.2, pp. 117-119

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *